Sejam Bem-Vindos à Galeria de Artes Abaporu
Abraham Palatinik ACAE Adélio Sarro Alberto Allende ALDEMIR MARTINS ALDIR MENDES Almeida Junior Amaral, Antonio henrique Amilcar de Castro Amoedo, Rodolfo Andersen, Alfredo Anita Malfatti Antônio Maia ARCANGELO IANELLI Ascanio MMM August Macke August Rodin Augusto Herkenhoff Augusto Luis Moreau BANDEIRA, ANTÔNIO BIA DORIA Botticelli, Sandro Braque Brecheret, Victor Brennand, Francisco Bruno Giorgi BURLE, MARX BUSTAMANTE SÁ Cabral, António Hélio Camille Pissaro CAMILO RIANI Caravaggio Carlos Anesi CARLOS SCLIAR CARYBÉ Cassio Melo Cencin,Vincenzo Cézanne, Paul Chico da Silva CHOLO CÍCERO DIAS Clodomiro Amazonas Clóvis Graciano COROT, CAMILLE Da Costa, Milton DA PAZ DI CAVALCANTI Di Ferra Domenico Calabrone Edgar Degas Emendabili, Galileo EMERIC MARCIER Eugene Verboechoven FANG Ferracioli, L.C. Frans Krajcberg G. Loiseau Galvez, Raphael Garcez, Gentil Gaudez Gauguin, Paul Georges Seurat Gerda Brentani Gisele Ulisse Godefroid Deurese Goeldi, Oswaldo Gris, Juan Gruber, Mário Guignard, Alberto da Veiga Gustav Klimt H. Weigele Harry Elsas Hélio Oiticica Henry Moore Henry Vitor Iberê Camargo Icart Louis Ignácio da Nega Ingres, Jean Auguste Dominique Inimá de Paula Inos Corradin JAF JÂNIO QUADROS Jean Corolus Belg Jenner Augusto Joarez Filho JOHN GRAZ José Antônio da Silva Jules Félix Coutan Kaminagai, Tadashi Kennedy Bahia Kobra Le Sueur, Eustache Leonardo Da Vinci Lorena Hollander MABE, Manabu Madiano Tomei MANET, EDOUARD MANOEL SANTIAGO MARC CHAGALL Maria Bonomi Matisse, Henri Milhazes, Beatriz MILLET, JEAN FRANCOIS MIRA SCHENDEL Miró, Joan Modigliani, Amadeo Monet, Claude Naji Ayoub NANDO RIBEIRO Niobi Xando Nivouliès de Pierrefort Noemia Mourão Oehlmeyer, Edgard Omar Pellegatta Oscar Niemeyer Pablo Picasso Pancetti, José Paul Gagarin Paul Rigault Paul Signac Paula Rego Pennacchi, Fulvio Picasso, Pablo Pierre Jules Mene Plínio Viana Porangaba, Martins de Portinari, Cândido Poteiro, Antônio Rebolo, Francisco Reembrandt, Van Rijn Renina Katz Renoir, Pierre Auguste Rezende, Newton RITA CAVALLARI Romero Britto Rousseau, Henri Rubens Gerchman Rubens, Peter Paul Rutenilton Melo Sabóia, José Salvador Dali Salvati, Giuseppe Santa Rosa Sérgio Ramos Sérgio Telles Simon de Vlieger Siron Franco Sonia Ebling Sylvio Pinto Takaki, Shokishi Tarsila do Amaral TAUNAY, NICOLAS ANTOINE Thomaz Fleming Thomaz Ianelli Tomie Ohtake Toulouse-Lautrec Tozzi, Cláudio TURNER, JOSEPH MALLORD WILLIAN Vagner Aniceto VAN DICK, ANTOON Van Gogh, Vincent Velázquez, Diego Vera Pimenta Vermeer Virgolino, Wellington Volpi, Alfredo Walter Levy Wambach, Georges WAS Wega Nery Willian Blake Win Van Dijk
 
E-mail
Senha:
Cadastre-se
 
 
22/10/2014
Exposições Pinacoteca
Uma história do Modernismo na Pinacoteca de São Paulo
22/10/2014
Semana de 22
Modernismo Brasileiro (Primeira Fase 1922-1930)
22/10/2014
Abaporu
Este é o quadro mais importante já produzido no Brasil.
 

Roberto Magalhães

  • Obras
  • Biografia
 
Título: Cidade Imaginária
Artista: Roberto Magalhães
Técnica: Pintura óleo s/ tela
Medida: 100x200 cm
Ano: 1986
Comentários:   ESTA OBRA FOI VENDIDA EM UM LEILÃO EM ABRIL DE 2004 PELO VALOR DE R$ 120.000,00 CUJO VALOR EM DOLLAR DA ÉPOCA (U$ 41.380) ( fonte site Pitoresco)
Preço: Sob Consulta
Código: 4048/1
 

 
Título: Boca
Artista: Roberto Magalhães
Técnica: Pintura óleo s/ tela
Medida: 44x28 cm
Ano: 1976
Comentários:   -
Preço: Sob Consulta
Código: 5403/71
 
Comprar

Na velocidade da luz Nascido no Rio de Janeiro. Autodidata (a não ser por breve estágio no ateliê de gravura da Escola Nacional de Belas Artes), começou a mostrar xilogravuras em 1962, numa individual realizada na Galeria Macunaíma da própria ENBA, destacando-se desde o início por técnica apuradíssima e extrema originalidade. Em 1963 ganhou um dos prêmios de aquisição da I Exposição do Jovem Desenho Nacional (Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo), participando em seguida com destaque de importantes coletivas dentro e fora do país, entre elas a IV Bienal Internacional da Gravura, de Tóquio (1964), a IV Bienal de Paris (1965 - Prêmio da Gravura), a mostra de vanguarda Opinião 65 (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1965), a VIII Bienal de São Paulo (1965) e o Salão Nacional de Arte Moderna, no qual fez carreira rapidíssima, conquistando logo na estréia (1964) o certificado de isenção de júri e dois anos depois o prêmio de viagem ao exterior. Europa escandaliza o pintor Embarcando em 1967 para a Europa, fixou-se em Paris, realizando sucessivas excursões a diversos países do continente. Num depoimento de 1982, o artista assim se referiu à premiação, e aos resultados dela advindos: «Meu trabalho daquela época até hoje não mudou em nada. É o mesmo tipo de trabalho. Não vi nada que me impressionasse lá fora. Achei que o que se fazia em Paris era muito decadente. Também me assustei com a Bienal de Paris, quando cheguei lá e vi quase caí para trás. Era um negócio terrível. Não tinha a importância que lhe atribuíam aqui. Era um horror. Em outros países eu via mais era museus. Na Europa entendi a minha profunda ligação com o Brasil. O meu lugar era aqui mesmo, nasci aqui, vivi aqui, gosto daqui e podia aqui fazer a minha arte.» Um artista místico Retornando da Europa em 1969, Roberto Magalhães fixou-se novamente no Rio de Janeiro. Aos poucos, afastou-se da xilogravura para adotar como técnica expressiva dominante a aquarela, permanecendo fiel ao seu mundo de idéias. Contrário à maioria, sua filosofia de trabalho era alimentada no estudo da Alquimia e do Misticismo oriental, praticando um figurativismo mágico ou fantástico, do qual não se acha ausente certa dose de humor. Pouco participando de exposições coletivas e raramente realizando mostras individuais, acabou por se afastar, durante algum tempo, de toda atividade artística ,para se dedicar à meditação budista. Pintura, filosofia e fé Roberto Magalhães é um dos principais artistas de sua geração, e hoje como em 1970 pode externar, sobre a Arte, os mesmos conceitos e pontos de vista que confiou ao crítico Walmir Ayala, numa entrevista-depoimento reproduzida no livro A Criação Plástica em Questão: Arte é apalpar a Divindade. Arte é um poder mágico e só os magos têm acesso a ela. Se pudesse descrever os momentos da criação artística, diria: O antes não existe, porque nada existe antes de ser. O durante não existe, porque nada existe sem estar completo. O depois também deixa de existir, porque já foi. Para compreender o que faço, só outro igual a mim. Massificação é sinônimo de fraqueza de espírito, A cor é uma ilusão. Sofremos influências enquanto não nos conhecemos. Novo é tudo aquilo que nunca vi e que não conheço. Apesar de desenvolver hoje o pensamento de ontem, minha preocupação maior é com o amanhã. Em 1992 seus 30 anos de atividade artística foram comemorados com uma retrospectiva no Centro Cultural Banco do Brasil, ocasionando novas exposições importantes em 1996 e 1997, no Paço Imperial e no MAM do Rio de Janeiro. Fonte: CD-ROM «500 Anos de Pintura no Brasil»




Home
Quem Somos
Avaliação
Serviços
Novidades
Contato
Ajuda
Imprensa
Como vender
Como comprar
Termos e Condições de Uso
© 2004-2014 :: Galeria de Artes Abaporu :: Tel: + 55 (11) 2952-9083 / (11) 99632-7835